A crença cética!

É bonito de ver um cético manifestando sua fé naturalmente: “Estudo hoje para ter um futuro melhor”,  “Até amanhã”, “Te vejo depois”, “Quando eu me aposentar!”Acredita que o futuro se tornará uma realidade ? Tem certeza? Se não , então por que vive hoje  iludindo-se,  acreditando que sempre haverá um amanhã?  Um dia após o outro?” dorme hoje planejando o que fará amanhã? Crê  na vida eterna? Então de onde vem esse instinto de acreditar que sempre estará vivo no outro dia? Ou no próximo instante? De lembranças passadas tenta adivinhar o futuro, controlar a vida ? Como se ela estivesse atrelada apenas a leis físicas de ação e reação já previstas?

“E direi a mim mesmo: Você tem grande quantidade de bens, armazenados para muitos anos. Descanse, coma, beba e alegre-se’.
“Contudo, Deus lhe disse: ‘Insensato! Esta mesma noite a sua vida lhe será exigida. Então, quem ficará com o que você preparou? “
Lucas 12:19,20

O motor da vida é mais potente do que o do ser, por isso ela consegue nos empurrar por caminhos que não queremos ir, mesmo quando não acreditamos que poderemos dar o próximo passo, também quando  desejamos e acreditamos que podemos ir em determinada direção ela nos empurra por caminhos contrários os quais mais  tememos, o do desconhecido, de onde viemos  e para onde voltaremos! Sem fé não daríamos nem o próximo passo! Só o fazemos por acreditar que o futuro pode se tornar real! Gostaria muito de poder experimentar e poder comprovar a menor força gravitacional da lua, mas infelizmente só poderei acreditar na experiência dos que dizem ter estado lá ,mas este tipo de crença não  agrada ao meu toméismo cientifico! Se alguém te apresentar um pedaço de rocha alegando ser um meteorito vindo do espaço você tem como comprovar , se é algo espacial ou uma rocha terrestre?  Voce crê que tudo o que esta escrito nos livros é real , ou cientificamente comprovado! possui o habito de aceitar verdades que foram com provadas apenas pelos outros? Quando você toma um remédio pode estar pondo sua vida em risco, então o faz com conhecimento de causa? Ou por que possui fé na ciência dos outro? Então confia no conhecimento do médico e dos laboratórios? Acredita que eles saibam o que estão fazendo?

Digamos que um médico psicopata não vá com a sua cara e resolva te matar substituindo um remédio por veneno, poucas pessoas possuem a curiosidade de ler toda a bula antes de consumir uma droga comercial, mas digamos que você é um pouco mais culto e precavido,  lê e acredita no laboratório e nos órgãos que o aprovaram e  que mal grado todo os efeitos colaterais  o remédio irá  ser benéfico.

Então morrerá iludido de boa fé, acreditando em toda essa ciência alheia!

Reações adversas / Efeitos colaterais de Sertralina

http://www.medicinanet.com.br/bula/4693/sertralina.htm

Dados de Estudos Clínicos
Em estudos com doses múltiplas de Sertralina, para depressão, as reações adversas que ocorreram com frequência significativamente maior em relação ao placebo foram: − Sistema Nervoso Autônomo: boca seca e aumento da sudorese.
− Sistema Nervoso Central e Periférico: tontura e tremor.
− Gastrintestinal: diarreia/fezes amolecidas, dispepsia e náusea.
− Psiquiátrico: anorexia, insônia e sonolência.
− Reprodutivo: disfunção sexual (principalmente retardo na ejaculação).
O perfil de efeito adverso normalmente observado em estudos duplo-cego, placebo-controlado em pacientes com Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) e Transtorno do Pânico, Transtorno do Estresse Pós-Traumático (TEPT) e Fobia Social foi semelhante ao observado em experiências clínicas em pacientes com depressão.

Dados do período pós-comercialização
Relatos espontâneos de eventos adversos em pacientes sendo tratados com Sertralina recebidos desde a introdução do medicamento no mercado. Estes relatos incluem:
− Geral: reação alérgica, alergia, reação anafilactoide, astenia, fadiga, febre, rubor, mal-estar, diminuição de peso e aumento de peso.
− Cardiovascular: dor torácica, edema periférico, hipertensão, palpitações, edema periorbital, síncope e taquicardia.
− Sistema Nervoso Central e Periférico: coma, convulsões, dor de cabeça, enxaqueca, distúrbios motores (incluindo sintomas extrapiramidais tais como, hipercinesia, hipertonia, ranger de dentes e distúrbios da marcha), contrações musculares involuntárias, parestesia e hipoestesia. Também foram relatados sinais e sintomas associados à síndrome de serotonina: em alguns casos associados com o uso concomitante de fármacos serotoninérgicos incluindo, agitação, confusão, sudorese, diarreia, febre, hipertensão, rigidez e taquicardia.
− Endócrino: galactorreia, ginecomastia, hiperprolactinemia e hipotireoidismo, síndrome da secreção inapropriada de hormônio antidiurético (ADH).
Gastrintestinal: dor abdominal, aumento do apetite, constipação, pancreatite e vômito.
Audição/Vestibular: tinido.
− Hematopoiético: função plaquetária alterada, distúrbios hemorrágicos (tais como epistaxe, hemorragia gástrica e hematúria), leucopenia, púrpura e trombocitopenia.
− Alterações laboratoriais: resultados clínicos laboratoriais anormais.
Hepático/Biliar: eventos hepáticos graves (incluindo hepatite, icterícia e disfunção hepática) e elevações assintomáticas das transaminases hepáticas (TGO e TGP).
− Metabólico/Nutricional: hiponatremia e aumento do colesterol sérico.
− Músculo-esquelético: artralgia.
Psiquiátrico: agitação, reações agressivas, ansiedade, sintomas de depressão, euforia, alucinações, diminuição da libido feminina e masculina, paroníria, psicose e bocejo.
− Reprodutivo: irregularidades menstruais.
− Respiratório: broncoespasmo.
− Pele: alopecia, angioedema, reação de foto sensibilidade na pele, prurido, rash (incluindo casos raros de graves distúrbios esfoliativos da pele, por exemplo, síndrome de Stevens-Johnson e necrose epidérmica) e urticária.
− Urinário: edema facial, incontinência e retenção urinária.
− Visão: visão normal.
− Outros: foram relatados sintomas seguidos da descontinuação do uso da Sertralina, e incluem agitação, ansiedade, tontura, dor de cabeça, náusea e parestesia.

Caramba! tem que esta muito desesperado para tomar um remédio com tantos efeitos colaterais tão prejudiciais e contraditório!

Ou então ter tanta fé quanto crentes que consultam videntes do tipo “pode ser que sim , pode ser que não”

por falar em adivinhações crentes:

Céticos videntes  certa vez sonhei a noite toda que uma casa pegava fogo, logo pela manhã ao sair de casa observei que uma casa realmente estava se incendiando .

De pronto um cético começou a esclarecer que muito provavelmente enquanto dormia eu deveria ter sentido o cheiro da fumaça, ouvido os barulho das sirenes…bal…bla..bla..mal grado eu explicasse que não houve essa possibilidade devido a distancia e o isolamento acústico de onde eu dormia, ele preferiu acreditar que   possuía uma explicação racional, ou  seria mais  uma crença  baseada na sua pseudo ciência cética? ou vidência cética ?  Julgam -se mais  racionais por conseguirem “ver e perceber”  graças ao dom da sua teleciência muita parecida com a onipresença crente, coisas que fogem a percepção dos iludidos crentes?  A ironia cética é desejar substituir a crenças alheias pelas suas materialistas.

Conheci outro cético que me disse  morar em cima de um centro de umbanda e que em uma época começou a ver espíritos circulando pelo seu quarto, então procurou um psiquiatra que lhe diagnosticou com distúrbios mentais .

moral da história cética “louco posso até ser! Crente jamais!” ( só faltam dizer Deus me livre disso!)

assim é que:

“PAU QUE DÁ EM CHICO CRENTE TAMBÉM BATE EM FRANCISCO CÉTICO” 

Anúncios

71 comentários em “A crença cética!”

  1. Uma crença tem ligação com senso de vida mais que a razão. No caso cético há mais razão que o próprio senso de vida.

    “Senso de Vida” é soma integrada dos valores fundamentais de um homem. É uma avaliação subconsciente que fazemos do ser humano e da existência, e que estabelece a natureza das nossas reações emocionais ea essência do nosso caráter.

    Nosso senso de vida não vem primeiramente de nossas convicções explícitas – é algo formado subconscientemente, baseado em nossas experiências pessoais, e que pode estar ou não em harmonia com nossas opiniões conscientes.

    Mesmo sem entender nada a respeito de filosofia, ao longo da vida um homem tem que fazer escolhas, formar uma opinião a respeito dele próprio e do mundo ao seu redor (em particular de sua capacidade de lidar com o mundo). Através de suas conclusões, ele chega a um sentimento generalizado em relação à existência – uma emoção básica que está por baixo de todas as suas experiências.

    Embora suas conclusões sejam baseadas em suas experiências particulares, elas acabam se tornando um sentimento generalizado a respeito do universo como um todo.

    A importância de entender o que é “senso de vida” é que ele é a principal ferramenta de avaliação das pessoas. É com base em nosso senso de vida que nós escolhemos os nossos amigos, nossos pares românticos, nossas músicas e filmes favoritos – praticamente tudo o que envolve nossas emoções. Nós aprovamos e nos sentimos atraídos pelas coisas que estão em harmonia com nosso senso de vida, e rejeitamos aquelas que não estão.

    Na medida em que uma pessoa domina seus processos mentais, o senso de vida pode ser moldado por ela própria ao longo de sua formação, e chegar à vida adulta em harmonia com uma filosofia consciente. Na maior parte dos casos, o senso de vida de uma pessoa é formado por influências aleatórias, imitações, osmose cultural, e frequentemente é cheio de contradições e está em conflito com suas ideias. De qualquer forma, ninguém pode evitar de formar um senso de vida.

    A filosofia é dividida em 5 ramificações: metafísica, epistemologia, ética, política e estética. Nosso senso de vida é formado principalmente pelas conclusões que chegamos (ou aceitamos sem pensar) a respeito de metafísica, epistemologia e ética – que são a base da filosofia e formam nossos valores mais fundamentais.

    Vou listar a seguir alguns exemplos de perguntas filosóficas que são essenciais na formação de um senso de vida:

    O universo é um lugar governado por leis naturais, estável, absoluto, ou é um caos incompreensível para o homem?
    Nossa mente é capaz de compreender a realidade, ou a razão é impotente?
    O homem tem livre arbítrio ou suas escolhas são determinadas por outros fatores (cultura, genética, classe social, emoções)?
    O homem é capaz de atingir sucesso, felicidade, ou a vida é feita de dificuldades e frustrações?
    O homem é essencialmente bom, admirável, ou ele é mau e desprezível por natureza?
    As pessoas podem conviver em harmonia, ou seus interesses mais básicos estão em conflito?
    O homem deve buscar seus objetivos, ou ele deve se sacrificar (pelos outros, pela sociedade, etc)?
    O homem deve ter ambição, autoestima, sonhar alto, ou ele não deve se sobressair?
    Sua vida deve ser importante, extraordinária, ou simples e comum?
    É importante lutar pelos seus valores – ou é importante não contrariar ninguém?
    É importante ser independente e realizar algo de valor – ou é importante ganhar dos outros?
    A felicidade é importante – ou a abnegação é importante?

    Respostas diferentes para as perguntas acima resultarão em pessoas com sensos de vida diferentes e irão interferir diretamente em todas as suas escolhas, preferências, em suas reações a outras pessoas ea obras de arte.

    É importante lembrar que, entre os extremos, existem posicionamentos intermediários entre todas essas respostas. Por exemplo, uma pessoa pode sentir que: 1) A felicidade é o estado natural do homem e que conflitos são a exceção. 2) Que a vida é feita de grandes conflitos mas que eles são superáveis e que a felicidade pode ser conquistada com esforço. 3) Que conflitos não são superáveis e que a felicidade só pode ser atingida em moderação. 4) Que a vida é trágica e que a felicidade é uma ilusão.

    Nosso senso de vida classifica as coisas de acordo com as emoções que elas evocam. No livro “The Romantic Manifesto”, Rand cita uma série de exemplos concretos e sugere que emoções esses exemplos provocariam em pessoas com níveis diferentes de auto-estima. Por exemplo: uma nova descoberta, triunfo, um homem heroico, o horizonte de Nova York, cores puras, música extasiante – ou, o pessoal da casa ao lado, uma rotina familiar, um homem humilde, um vilarejo antigo, uma paisagem nebulosa, cores turvas, música folk. Pra uma pessoa com um nível de auto-estima elevado, os exemplos do primeiro grupo devem provocar admiração, exaltação, um senso de desafio. Os exemplos do segundo grupo devem provocar tédio, desinteresse ou repulsa. Pra uma pessoa com um nível mais baixo de auto-estima ou de ambição, as emoções unindo os exemplos do primeiro grupo devem ser de medo, culpa, ressentimento. As emoções unindo os exemplos do segundo grupo devem ser de alívio, conforto, a segurança de estar num universo não muito exigente.

    O senso de vida de uma pessoa é algo que percebemos quase instantaneamente quando a conhecemos, pois envolve tudo a respeito dela: cada pensamento, emoção, gesto, sua postura, tom de voz, maneira de sorrir, de se vestir. É uma soma complexa de informações, mas que percebemos muito rapidamente, o que leva as pessoas a acharem que se trata de uma espécie de “energia” misteriosa que as pessoas emitem e que não se pode explicar (de fato é difícil de explicar um senso de vida – é algo que pode ser sentido, mas não compreendido imediatamente, a não ser por uma análise mais cuidadosa).

    Sensos de vida são formados por combinações de inúmeras percepções a respeito da vida, e podem ser extremamente diversificados. Ainda assim, é possível classificar, a grosso modo, sensos de vida entre mais “malevolentes” e mais “benevolentes”. Um senso de vida malevolente é dominado pelas respostas negativas às questões filosóficas mais fundamentais (a vida é trágica, o universo é um lugar caótico, nossa mente não está em contato com a realidade, o homem é desprezível e está condenado ao sofrimento, seus interesses estão em conflito, etc), e um senso de vida benevolente é dominado pelas respostas positivas (a vida é boa, o universo é compreensível, o homem é admirável e capaz de atingir seus objetivos, seus interesses não estão em conflito, etc).

    Curtir

  2. Parabéns Seu Anonimo!
    é de longe um dos mais sábios comentários que feitos por aqui!

    Uma crença tem ligação com senso de vida mais que a razão. No caso cético há mais razão que o próprio senso de vida.

    “Senso de Vida” é soma integrada dos valores fundamentais de um homem. É uma avaliação subconsciente que fazemos do ser humano e da existência, e que estabelece a natureza das nossas reações emocionais ea essência do nosso caráter.

    verdade! porem esta base continua sendo mais ou menos racional

    Nosso senso de vida não vem primeiramente de nossas convicções explícitas – é algo formado subconscientemente, baseado em nossas experiências pessoais, e que pode estar ou não em harmonia com nossas opiniões conscientes.

    creio que esta se referindo ao eu verdadeiro (consciência pura, alma) x o eu mecânico egocentrico?

    Mesmo sem entender nada a respeito de filosofia, ao longo da vida um homem tem que fazer escolhas, formar uma opinião a respeito dele próprio e do mundo ao seu redor (em particular de sua capacidade de lidar com o mundo). Através de suas conclusões, ele chega a um sentimento generalizado em relação à existência – uma emoção básica que está por baixo de todas as suas experiências.

    sendo que seres mais racionais o fazem pelo uso da razão e o menos racionais o fazem inconscientemente, baseado em experiências passadas “ja sabem” o melhor caminho a seguirem , um espécie de intuição o saber sem raciocinar!

    Embora suas conclusões sejam baseadas em suas experiências particulares, elas acabam se tornando um sentimento generalizado a respeito do universo como um todo.

    gostei disso!

    A importância de entender o que é “senso de vida” é que ele é a principal ferramenta de avaliação das pessoas. É com base em nosso senso de vida que nós escolhemos os nossos amigos, nossos pares românticos, nossas músicas e filmes favoritos – praticamente tudo o que envolve nossas emoções. Nós aprovamos e nos sentimos atraídos pelas coisas que estão em harmonia com nosso senso de vida, e rejeitamos aquelas que não estão.

    este senso de vida pre existe ao nascimento ?

    Na medida em que uma pessoa domina seus processos mentais, o senso de vida pode ser moldado por ela própria ao longo de sua formação, e chegar à vida adulta em harmonia com uma filosofia consciente. Na maior parte dos casos, o senso de vida de uma pessoa é formado por influências aleatórias, imitações, osmose cultural, e frequentemente é cheio de contradições e está em conflito com suas ideias. De qualquer forma, ninguém pode evitar de formar um senso de vida.

    creio que esse personagem é formado pela reação das suas ações, como tambem por reação à ações dos outros, ou seja é fruto do meio e da própria vontade.

    https://religiaodeuslivre.wordpress.com/2016/07/18/ser-ou-nao-ser-eis-a-questao/

    A filosofia é dividida em 5 ramificações: metafísica, epistemologia, ética, política e estética. Nosso senso de vida é formado principalmente pelas conclusões que chegamos (ou aceitamos sem pensar) a respeito de metafísica, epistemologia e ética – que são a base da filosofia e formam nossos valores mais fundamentais.

    o seu senso de vida é irracional ?

    Vou listar a seguir alguns exemplos de perguntas filosóficas que são essenciais na formação de um senso de vida:

    O universo é um lugar governado por leis naturais, estável, absoluto, ou é um caos incompreensível para o homem?

    leis naturais

    Nossa mente é capaz de compreender a realidade, ou a razão é impotente?

    deveras impotente!

    O homem tem livre arbítrio ou suas escolhas são determinadas por outros fatores (cultura, genética, classe social, emoções)?

    o livre arbítrio humano é tão livre qaunto o de peixes no aquário, e olha que dentro de tão pouco espaço as opções de ações são infinitas!

    O homem é capaz de atingir sucesso, felicidade, ou a vida é feita de dificuldades e frustrações?

    o sofrimentos fazem parte da felicidade

    O homem é essencialmente bom, admirável, ou ele é mau e desprezível por natureza?

    seria necessário definirmos um padrão de moralidade baseada em conceitos pessoais como a constituição, porem nunca haverá um consenso de uma moralidade humana absoluta a ser seguida por todos, pois sempre haverá diferentes conceitos entre eles.
    costuma dizer bebes são anjinhos! mentira são homens que ainda não possuem uma ferramenta cerebral necessária a manifestarem sua verdadeira personalidade!

    As pessoas podem conviver em harmonia, ou seus interesses mais básicos estão em conflito?

    paraiso não existem,nem fora nem dentro do ser eternamente insatisfeitos por natureza! Insatisfação pessoal é que nos move, logo é necessária!

    O homem deve buscar seus objetivos, ou ele deve se sacrificar (pelos outros, pela sociedade, etc)?

    ideal seria a procura pelo bem menos egoísta, mas o ser bom não existe é uma orgulhosa utopia!
    o que existe na pratica são seres egocêntricos , tudo é interesse pessoal, não existe o amor puro desprovido de algum tipo de interesse pessoal!

    O homem deve ter ambição, autoestima, sonhar alto, ou ele não deve se sobressair?

    fazer o melhor possivel é a obrigação de todo homem

    Sua vida deve ser importante, extraordinária, ou simples e comum?

    o importante é ser feliz

    É importante lutar pelos seus valores – ou é importante não contrariar ninguém?

    quando julgar necessário é importante deixar claro nossos valores, mesmo quando contrariar a todos e principalmente a voce mesmo!

    É importante ser independente e realizar algo de valor – ou é importante ganhar dos outros?

    dentro de uma sociedade não existe independência, tudo tem seu preço, não existe um de graça! alguem sempre tem que pagar a conta!

    A felicidade é importante – ou a abnegação é importante?

    acho que só pessoas felizes conseguem ser abnegadas verdadeiramente, outras procuram as portas da abnegação encontrarem a felicidade!
    o ser egoísta é natural não se iluda acreditando que um dia o deixará de ser totalmente.

    Respostas diferentes para as perguntas acima resultarão em pessoas com sensos de vida diferentes e irão interferir diretamente em todas as suas escolhas, preferências, em suas reações a outras pessoas ea obras de arte.

    são as diferenças que individualizam os seres

    É importante lembrar que, entre os extremos, existem posicionamentos intermediários entre todas essas respostas. Por exemplo, uma pessoa pode sentir que: 1) A felicidade é o estado natural do homem e que conflitos são a exceção. 2) Que a vida é feita de grandes conflitos mas que eles são superáveis e que a felicidade pode ser conquistada com esforço. 3) Que conflitos não são superáveis e que a felicidade só pode ser atingida em moderação. 4) Que a vida é trágica e que a felicidade é uma ilusão.

    exato!

    Nosso senso de vida classifica as coisas de acordo com as emoções que elas evocam. No livro “The Romantic Manifesto”, Rand cita uma série de exemplos concretos e sugere que emoções esses exemplos provocariam em pessoas com níveis diferentes de auto-estima. Por exemplo: uma nova descoberta, triunfo, um homem heroico, o horizonte de Nova York, cores puras, música extasiante – ou, o pessoal da casa ao lado, uma rotina familiar, um homem humilde, um vilarejo antigo, uma paisagem nebulosa, cores turvas, música folk. Pra uma pessoa com um nível de auto-estima elevado, os exemplos do primeiro grupo devem provocar admiração, exaltação, um senso de desafio. Os exemplos do segundo grupo devem provocar tédio, desinteresse ou repulsa. Pra uma pessoa com um nível mais baixo de auto-estima ou de ambição, as emoções unindo os exemplos do primeiro grupo devem ser de medo, culpa, ressentimento. As emoções unindo os exemplos do segundo grupo devem ser de alívio, conforto, a segurança de estar num universo não muito exigente.

    a psicologia falha ao tentar padronizar pessoas, sem levar em conta o fator surpresa, quando até o individuo se auto surpreende-se agindo de uma forma inusitada!
    contrariando todo o padrão do seu próprio ser é a evolução meu caro Anonimo!

    O senso de vida de uma pessoa é algo que percebemos quase instantaneamente quando a conhecemos, pois envolve tudo a respeito dela: cada pensamento, emoção, gesto, sua postura, tom de voz, maneira de sorrir, de se vestir. É uma soma complexa de informações, mas que percebemos muito rapidamente, o que leva as pessoas a acharem que se trata de uma espécie de “energia” misteriosa que as pessoas emitem e que não se pode explicar (de fato é difícil de explicar um senso de vida – é algo que pode ser sentido, mas não compreendido imediatamente, a não ser por uma análise mais cuidadosa).

    nem todos possuem esse nivel de empatia, eu mesmo não gosto de tirar conclusões precipitadas e levianas quanto ao caráter de desconhecidos, sempre levo um bom tempo de observação para tentar definir qual o tipo de caráter, pois bem sei que anjos iniciais depois se transformam em demônios e vice versa!

    Sensos de vida são formados por combinações de inúmeras percepções a respeito da vida, e podem ser extremamente diversificados. Ainda assim, é possível classificar, a grosso modo, sensos de vida entre mais “malevolentes” e mais “benevolentes”.

    conceitos humanos relativos

    Um senso de vida malevolente é dominado pelas respostas negativas às questões filosóficas mais fundamentais (a vida é trágica, o universo é um lugar caótico, nossa mente não está em contato com a realidade, o homem é desprezível e está condenado ao sofrimento, seus interesses estão em conflito, etc), e um senso de vida benevolente é dominado pelas respostas positivas (a vida é boa, o universo é compreensível, o homem é admirável e capaz de atingir seus objetivos, seus interesses não estão em conflito, etc).

    isto segundo os seus conceitos morais ?

    foi um prazer responder suas sabias questões, tentei minimizar para não tornar repostas muitos extensas.

    sds

    Curtir

    1. COIT(o)ado do Criaturo!!!!!!!
      Tem a maior dificuldade em se aceitar como CRENTE, e agora fica aí PROJETANDO (DEJETANDO) suas FRUSTRAÇÕES pra cima dos céticos. Típico mecanismo NEURÓTICO de defesa de quem NÃO SE ACEITA!!!!!!!!!!!!!!

      HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA…

      DEUS Arthur Esvael, cuida bem aí do seu minininho crentinho que AMA MUITO VOCÊ, viu??!!!!

      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK…

      Curtir

  3. Endoidou? de vez! kkkkkkkkkkkk

    provoca não aguenta agora fica ai todo doidinho duidinho!

    voces ceticos crentes é que não suportam se reconhecerem na imagens dos crentes! vixe isso até parece ser coisa do outros mundo cetico!

    Curtir

    1. voces ceticos crentes é que não suportam se reconhecerem na imagens dos crentes! vixe isso até parece ser coisa do outros mundo cetico!

      Ihhh… Além de crentinho doentinho obsessivinho neurótiCUZINHO, agora deu até pra IMITAR os argumentos dos outros???? Tsc, tsc, tsc…

      Na falta de argumentos, Criaturo, não se iluda ao achar que copiando os SUPERIORES deixará de ser um mero inferiorzinho, certo?!

      HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA…

      Curtir

    1. O seu Arkemista. So sinora di muita idadi, mas meu serebru pega no trako de vez kuando.

      Curtir

  4. Nosso senso de vida não vem primeiramente de nossas convicções explícitas – é algo formado subconscientemente, baseado em nossas experiências pessoais, e que pode estar ou não em harmonia com nossas opiniões conscientes.

    creio que esta se referindo ao eu verdadeiro (consciência pura, alma) x o eu mecânico egocentrico?

    Simplesmente vem do subconsciente. Não tem intermediários.

    Mesmo sem entender nada a respeito de filosofia, ao longo da vida um homem tem que fazer escolhas, formar uma opinião a respeito dele próprio e do mundo ao seu redor (em particular de sua capacidade de lidar com o mundo). Através de suas conclusões, ele chega a um sentimento generalizado em relação à existência – uma emoção básica que está por baixo de todas as suas experiências.

    sendo que seres mais racionais o fazem pelo uso da razão e o menos racionais o fazem inconscientemente, baseado em experiências passadas “ja sabem” o melhor caminho a seguirem , um espécie de intuição o saber sem raciocinar!

    Não, senso de vida se constrói com observação e opiniões a respeito do mundo.

    A importância de entender o que é “senso de vida” é que ele é a principal ferramenta de avaliação das pessoas. É com base em nosso senso de vida que nós escolhemos os nossos amigos, nossos pares românticos, nossas músicas e filmes favoritos – praticamente tudo o que envolve nossas emoções. Nós aprovamos e nos sentimos atraídos pelas coisas que estão em harmonia com nosso senso de vida, e rejeitamos aquelas que não estão.

    este senso de vida pre existe ao nascimento ?

    Ele é desenvolvido, conforme o texto explica.

    Na medida em que uma pessoa domina seus processos mentais, o senso de vida pode ser moldado por ela própria ao longo de sua formação, e chegar à vida adulta em harmonia com uma filosofia consciente. Na maior parte dos casos, o senso de vida de uma pessoa é formado por influências aleatórias, imitações, osmose cultural, e frequentemente é cheio de contradições e está em conflito com suas ideias. De qualquer forma, ninguém pode evitar de formar um senso de vida.

    creio que esse personagem é formado pela reação das suas ações, como tambem por reação à ações dos outros, ou seja é fruto do meio e da própria vontade.

    Não, porque isso é formado aleatóriamente também. A influência do meio pode afetar nosso senso de vida comparável a opinião.

    É importante lembrar que, entre os extremos, existem posicionamentos intermediários entre todas essas respostas. Por exemplo, uma pessoa pode sentir que: 1) A felicidade é o estado natural do homem e que conflitos são a exceção. 2) Que a vida é feita de grandes conflitos mas que eles são superáveis e que a felicidade pode ser conquistada com esforço. 3) Que conflitos não são superáveis e que a felicidade só pode ser atingida em moderação. 4) Que a vida é trágica e que a felicidade é uma ilusão.

    exato!

    Suas repostas vão bater com um desses resultados numerados.

    Nosso senso de vida classifica as coisas de acordo com as emoções que elas evocam. No livro “The Romantic Manifesto”, Rand cita uma série de exemplos concretos e sugere que emoções esses exemplos provocariam em pessoas com níveis diferentes de auto-estima. Por exemplo: uma nova descoberta, triunfo, um homem heroico, o horizonte de Nova York, cores puras, música extasiante – ou, o pessoal da casa ao lado, uma rotina familiar, um homem humilde, um vilarejo antigo, uma paisagem nebulosa, cores turvas, música folk. Pra uma pessoa com um nível de auto-estima elevado, os exemplos do primeiro grupo devem provocar admiração, exaltação, um senso de desafio. Os exemplos do segundo grupo devem provocar tédio, desinteresse ou repulsa. Pra uma pessoa com um nível mais baixo de auto-estima ou de ambição, as emoções unindo os exemplos do primeiro grupo devem ser de medo, culpa, ressentimento. As emoções unindo os exemplos do segundo grupo devem ser de alívio, conforto, a segurança de estar num universo não muito exigente.

    a psicologia falha ao tentar padronizar pessoas, sem levar em conta o fator surpresa, quando até o individuo se auto surpreende-se agindo de uma forma inusitada!
    contrariando todo o padrão do seu próprio ser é a evolução meu caro Anonimo!

    Mas é fato se você observar bem, não tem a ver com evolução. Pessoas precisam ser motivas e buscam motivação o tempo todo. O seu Senso de Vida é assim se você parar e observar. Aconselho procurar textos de Ayn Rand sobre o tema.

    Sensos de vida são formados por combinações de inúmeras percepções a respeito da vida, e podem ser extremamente diversificados. Ainda assim, é possível classificar, a grosso modo, sensos de vida entre mais “malevolentes” e mais “benevolentes”.

    conceitos humanos relativos

    Não, não é relativo. Acho que você não está sendo honesto em seu raciocínio.

    Sensos de vida são formados por combinações de inúmeras percepções a respeito da vida, e podem ser extremamente diversificados. Ainda assim, é possível classificar, a grosso modo, sensos de vida entre mais “malevolentes” e mais “benevolentes”.

    Um senso de vida malevolente é dominado pelas respostas negativas às questões filosóficas mais fundamentais (a vida é trágica, o universo é um lugar caótico, nossa mente não está em contato com a realidade, o homem é desprezível e está condenado ao sofrimento, seus interesses estão em conflito, etc), e um senso de vida benevolente é dominado pelas respostas positivas (a vida é boa, o universo é compreensível, o homem é admirável e capaz de atingir seus objetivos, seus interesses não estão em conflito, etc).

    isto segundo os seus conceitos morais ?

    Não tem a ver com conceito moral e sim a imagem do universo que você cria para si. Procure conhecer a obra de Ayn Rand para saber mais.

    Abraços.
    Abraços

    Curtir

  5. dna naninha
    O CRIATURO EXPRICA ISSO PA MIM. COMO ATEU PODI TÊ CRENSA SE ELI NUM CRADITA IN NADA!!!

    tu k iu d para kedi , p go bndi andandi inda não le o topic ? D poi vei falandi ki nen Dna. nenem…kikikikiki!

    Curtir

  6. Seu Anônimo!

    só vi agora!

    Nosso senso de vida não vem primeiramente de nossas convicções explícitas – é algo formado subconscientemente, baseado em nossas experiências pessoais, e que pode estar ou não em harmonia com nossas opiniões conscientes.

    creio que esta se referindo ao eu verdadeiro (consciência pura, alma) x o eu mecânico egocentrico?

    Simplesmente vem do subconsciente. Não tem intermediários.

    alguma ordens misticas ensina que o sub consciente é a ligação direta com Deus, é irracional!

    Mesmo sem entender nada a respeito de filosofia, ao longo da vida um homem tem que fazer escolhas, formar uma opinião a respeito dele próprio e do mundo ao seu redor (em particular de sua capacidade de lidar com o mundo). Através de suas conclusões, ele chega a um sentimento generalizado em relação à existência – uma emoção básica que está por baixo de todas as suas experiências.

    chamo isso de formação do eu

    sendo que seres mais racionais o fazem pelo uso da razão e o menos racionais o fazem inconscientemente, baseado em experiências passadas “ja sabem” o melhor caminho a seguirem , um espécie de intuição o saber sem raciocinar!

    Não, senso de vida se constrói com observação e opiniões a respeito do mundo.
    A importância de entender o que é “senso de vida” é que ele é a principal ferramenta de avaliação das pessoas. É com base em nosso senso de vida que nós escolhemos os nossos amigos, nossos pares românticos, nossas músicas e filmes favoritos – praticamente tudo o que envolve nossas emoções. Nós aprovamos e nos sentimos atraídos pelas coisas que estão em harmonia com nosso senso de vida, e rejeitamos aquelas que não estão.

    este senso de vida pre existe ao nascimento ?

    Ele é desenvolvido, conforme o texto explica.
    Na medida em que uma pessoa domina seus processos mentais, o senso de vida pode ser moldado por ela própria ao longo de sua formação, e chegar à vida adulta em harmonia com uma filosofia consciente. Na maior parte dos casos, o senso de vida de uma pessoa é formado por influências aleatórias, imitações, osmose cultural, e frequentemente é cheio de contradições e está em conflito com suas ideias. De qualquer forma, ninguém pode evitar de formar um senso de vida.

    senso de vida é a formação da personalidade consciente e inconciente

    creio que esse personagem é formado pela reação das suas ações, como tambem por reação à ações dos outros, ou seja é fruto do meio e da própria vontade.

    Não, porque isso é formado aleatóriamente também. A influência do meio pode afetar nosso senso de vida comparável a opinião.
    É importante lembrar que, entre os extremos, existem posicionamentos intermediários entre todas e
    ssas respostas. Por exemplo, uma pessoa pode sentir que: 1) A felicidade é o estado natural do homem e que conflitos são a exceção. 2) Que a vida é feita de grandes conflitos mas que eles são superáveis e que a felicidade pode ser conquistada com esforço. 3) Que conflitos não são superáveis e que a felicidade só pode ser atingida em moderação. 4) Que a vida é trágica e que a felicidade é uma ilusão.

    fico com a 4 opção a felicidade é um ilusão momentânea

    exato!

    Suas repostas vão bater com um desses resultados numerados.

    a psicologia falha ao tentar padronizar pessoas, sem levar em conta o fator surpresa, quando até o individuo se auto surpreende-se agindo de uma forma inusitada!
    contrariando todo o padrão do seu próprio ser é a evolução meu caro Anonimo!

    Mas é fato se você observar bem, não tem a ver com evolução. Pessoas precisam ser motivas e buscam motivação o tempo todo. O seu Senso de Vida é assim se você parar e observar. Aconselho procurar textos de Ayn Rand sobre o tema.

    Sensos de vida são formados por combinações de inúmeras percepções a respeito da vida, e podem ser extremamente diversificados. Ainda assim, é possível classificar, a grosso modo, sensos de vida entre mais “malevolentes” e mais “benevolentes”.

    conceitos humanos relativos

    Não, não é relativo. Acho que você não está sendo honesto em seu raciocínio.

    Sensos de vida são formados por combinações de inúmeras percepções a respeito da vida, e podem ser extremamente diversificados. Ainda assim, é possível classificar, a grosso modo, sensos de vida entre mais “malevolentes” e mais “benevolentes”.

    Um senso de vida malevolente é dominado pelas respostas negativas às questões filosóficas mais fundamentais (a vida é trágica, o universo é um lugar caótico, nossa mente não está em contato com a realidade, o homem é desprezível e está condenado ao sofrimento, seus interesses estão em conflito, etc), e um senso de vida benevolente é dominado pelas respostas positivas (a vida é boa, o universo é compreensível, o homem é admirável e capaz de atingir seus objetivos, seus interesses não estão em conflito, etc).

    embora todo o otimismo a favor da realidade nua e crua, isto não torna inexistente frustações , dor , sofrimento,nem a incapcidade humana.
    isto não é ser pessimista e sim realista saber encarar tudo isto , aceitar a realidade como ela é, acreditar que podemos muda-la em parte,mas que seremos eternos insatisfeitos pois isso é o motor humano que move nossas vidas!

    isto segundo os seus conceitos morais ?

    visão do paraiso crente

    Não tem a ver com conceito moral e sim a imagem do universo que você cria para si. Procure
    conhecer a obra de Ayn Rand para saber mais.
    Abraços.

    ok darei uma olhada,mas isto me soa como um “mundo autista feliz”

    obrigado e volte sempre que puder!

    Curtir

  7. Criaturo.

    Vejo que você tem um problema de dislexia e concatenação das ideias que propus.

    Não quero estender um debate com uma pessoa problemática como você. Seria melhor você reler meu post inicial para ver se entende a ideia que propus. Isto é, se for capaz disso. Minha parte já fiz: a ideia foi transferida.

    Abraços.

    Curtir

    1. Prezado”deus panes no cérebro”
      Fiquei muito feliz ao ler seu post como anonimo, de fato simpatizei com as teorias da Ayn raynd,mas foi só apertar um pouquinho para voce se revelar um troll fake multipolar, me parece que o seu objetivo aqui é apenas divulgar videos contraditorios do you tube assim sendo , pode ir dando a Deus a todos os seus personagens

      quando tiver algo sério para falar será bem vindo, ok!

      Curtir

    2. primeiro eu acho que a ideia não é sua, segundo acho que nem voce entendeu a idéia!
      pois não consegue defende-la com alguma lógica!

      Curtir

  8. Mas… não foi esse tal “anônimo” aí aquele com o qual sugeriste aO MESTRE “aprender alguma coisa”?!!!!!!!!!!!!!

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK…
    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK…

    Curtir

    1. HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA…

      Esse aí não sabe nem o que é LED, BANDIDO, COMBURRENTE!!!! Vai saber o que seria IP????!!!!! Não sabe nem o que é PI(ntar o 7)!!!!!!!

      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK…

      Curtir

  9. https://religiaodeuslivre.wordpress.com/2016/11/04/a-crenca-cetica/#comment-2703

    Criaturo disse:
    14/11/2016 às 21:24

    pois é ! Dona Nenem, Deus pane no cerebro, esvael, anonimo era tudo uma unica pessoa multipolar!
    Mas agora adios mutacho!

    Então não eram todos (dis)perso(es)nas do nosso bininim maugestim????!!!!!!! Cério 171?????!!!!!! É preciso sempre aFERIR a absoluta certeza da Ceriedade 171 da coisa!!!!!! hahahhahahahahahahahahahahahah…

    Nem o A(r)tur(amos) Esvaído/(a-c-tual-viado)??????? Aquele com fala gaguejante travada beócia, que MESTRE viu prometer e”exigir” ajuda para o nordeste (brasileiro) e para a África através de uma “amiga” (“formada, conjuntamente a ele, em… farmacologia, bioquímica… nãolembrooque…” hahahahahahahahahahahaha…) que estava já fazendo um trabalho na África ali no SurinOMI num vídeo que TU elogiaste?????!!!!!!! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK…

    Não é o bininim?????!!!!!!!! Mas ENCAIXA tão bem… MESTRE até pensava que era o PRÓPRIO bininim em não disfarce!!!!! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK…

    Bom, seja como for, tanto quanto bininim, é sempre o mesmo ERRADO DE PEDRA!!!!!!!!! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK…

    Curtir

    1. Mas e aí, Criaturo? Você descobriu quem era? Seria alguém do Clube Cético?
      E o Anônimo, Dona Nena e Arthur Esvael compartilhavam do mesmo IP???

      E viu só a CRENÇA FERRENHA lá do Cientista, CRENDO TÃO PIAMENTE que todos eles eram EU???????

      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK…

      Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s